Quem disse que pintar uma casa não é arte?

Imaginem uma pessoa completamente quebrada, com dores nas costas, nas pernas com dois machucões no rosto (um inchado na testa), cansada, morrendo de sono e com frio. Pois bem, esta sou eu. Depois de um final de semana, digamos, “de índio” (se bem que os índios não tem nada a ver com isso) vou tentar me recuperar ao longo da semana. E o viking ainda quer que eu vá para a ginástica hoje. Não vou nem carregada!!!

sommarstugan1.jpg

Sábado e domingo viramos artistas e brincamos com tintas e pinceis. Nada de quadros para museus, fomos mesmo pintar a sommarstuga da família no sul da cidade. O clima não ajudou muito. Choveu os dois dias e não foi só garoa, foi chuva forte mesmo!!! Mas isso não impediu que fizéssemos 85% de todo o exterior da casa (pois ainda falta o branco das janelas e o verde do muro de madeira do subsolo). Dá para imaginar pintar uma casinha de 23 m2 construída em cima de pedras de uma montanha? É, apenas escada não facilitou nosso trabalho. Locais que chegavam a mais de 6m de altura me fizeram medo quando vi meu viking escalando. Ao olhar para baixo via-se mato e pedras…ui!! Mas estamos todos vivos e bem (cansados). Apesar de tudo isso me diverti. Meu cunhado me fez rir horrores e, o mais importante, me ensinava sueco ao me corrigir. Adoro isso.

Muitos de vocês sabem que uma das “marcas registradas” da Suécia são as lindas casinhas vermelhas. Pois bem, não é qualquer tinta vermelha que faz esse trabalho. A responsável pelo segredo chama-se Falu rödfärg ou tinta vermelha de Falu (município). Ela recebeu este nome por causa da presenca de pigmentos da minas de cobre de Falu. A junção desses pigmentos com outros minerais seria responsável pelo efeito de conservação da madeira, diminuindo assim as chances de seu apodrecimento, face ao típico clima sueco. A tinta é de fácil pintura, manutenção e possui vida longa. Segundo meus sogros esta casa, que já tem 15 anos de construída (a outra tinha menos de 9 metros quadrados), foi pintada uma única vez, em 1992. Ninguém poderia dizer que nunca fora repintada.

Pesquisando sobre a tinta, encontrei que além de ser uma tradição de longa data (originada no século XVI) ela já foi considerada um reconhecimento de baixo status social. Lembro que minha professora falou que esta tinta era bem comum antigamente e de fácil disponibilidade. Por esta, e entre outras razões, os ricos agricultores pintavam seus casarões com um amarelo (mais caro) para se distinguir da massa. Outra explicação que encontrei e vai contra ao que escrevi acima diz que as casinhas vermelhas eram símbolo de riqueza e se distinguiam das casas de alvenaria que existiam no continente. Nesta época, as autoridades municipais exigiam que as fachadas das ruas fossem pintadas em vermelho em razão de visitas da realeza. Apesar de longa data, apenas ao final do século XIX é que o vermelho Falu ganhou maior visibilidade e tornou-se famosa. O site da fábrica diz que

o espírito de orgulho (ou “romantismo nacional”) ganhava o país e os pintores como Carl Larsson [contribuiu para] estabelecer o sonho da pequena casinha vermelha

Meus sogros também me explicaram que a tinta deveria ser cozida (isto mesmo, podem acreditar, cozida!!). Durante a primeira pintura da sommarstuga minha sogra passou seis horas cozinhando a tinta. Dessa vez minha sogra comprou a tinta pronta para uso 😀 . Na internet é possível encontrar a receita para fazer em casa mas lá eles dizem que apenas 45 minutos é suficiente. Tudo isto vai depender dos ingredientes e da disponibilidade e coragem para fazê-lo. A tinta verde do muro de madeira do subsolo ela vai cozinhar, mas não sei ainda quando vamos pintar, mas garanto que será bem mais fácil e rápido. Assim que o viking chegar do trabalho publico as fotos que estão no telefone dele.

  • A palavra em sueco do dia é måla [môôla], pintar

11 thoughts on “Quem disse que pintar uma casa não é arte?

  1. nossa!!!! que aula sobre tinta!!! adorei!!
    mas não tem nenhuma foto da casinha pintada não? pra a gente ver?
    fiquei curiosa!!!
    beijocas!! quinta-feira vou pra a França.. quer algo de lá? 😉

  2. Que legal. Adoro esse tipo de atividade em casal, parece tão romantico. Mas voces correram perigo hen, eu detesto altura.
    Tem ai uma tinta para interior, bem clara e que resiste a ação desenfreada de crianças, e não fique sujinha…rsrsrs … To querendo milagre né?
    Porque o país não exporta essa tinta para o Brasil, to precisando de uma tinta que dure a vida toda na minha casa. Mas tem que ser daquela que não precisa cozinhar Ok.

    Beijos

  3. Mercia amore, obrigada!!! Acabei de atualizar o post com algumas fotos. Agora você vai poder ver!! 😉 Quanto a França, quer me levar na mala?? Morro de saudades das pessoas que deixei por la!!!

    Eu também gosto desses programinhas a dois, Simone, mesmo que seja massacrante depois!! hehehehe No que se refere à tinta, humm acho que ainda nao inventaram. Talvez quando isso acontecer alguém fique milionário!! :)

  4. marcia says:

    hihihihi
    Cozinhar tinta ninguém merece Ju! Sou muito mais amiga da praticidade :p
    Adorei a foto com os pinceis! Acho que se fosse eu, estaria pintada da cabeca ao pés, com minhas 2 mãos esquerdas e total falta de coordenacão motora.
    Beijossssssssssss

  5. Marcinha amore, isto é porque a senhora não viu meu estado após a pintura atrás da casa. Choveu tanto enquanto pintávamos e o espaço era minúsculo que fiquei suja até onde não pensava que sujaria… xero 😉

  6. ana says:

    Ju, mas que aula de casinha vemelha! Adorei, pois, o meu namorado, que eh sueco, nao soube me explicar a razao das tais belezuras! Agora vou explicar para ele e ainda vou dizer que aprendi com uma brasileira!
    Por falar em pintura, o vizinho da minha sogra (olha a fofoca) aproveitou a festa do midsommardagen para pintar sua casa, detalhe, os “voluntarios” para a pintura, ganhavam um “vale-empada” para o jantar de midsommar… ele nos disse que se nos quisessemos ajudar na pintura poderiamos ir a festa… entao o camarada passou o dia todo fazendo quitute e montando barraca (para o jantar) enquanto “os convidados” enxarcavam o pincel no balde de tinta! Sujeito esperto. Isso eh que eh praticidade sueca! Se nos aceitamos o convite para a festa?!? Nem mortos!!! bjo e ate!

  7. Nicole says:

    Ah menina quando tá chovendo eu não sai da minha cama pra ninguém! agora quando está sol eu trabalho de manhã até as onze da noite porque não percebe que está tarde rsrs hum não vejo a hora de voltar , essa sommarstuga é linda demais!

  8. Preta says:

    Mulher…fiquei cansada só em ler…kakakakakkaaka!!!
    Mas é assim que tem que ser…tem coisa melhor que está FELIZ????!!!!

    Beijos

  9. Que maravilha!
    Uma aula de cultura e tanto. Pela descrição do que vem a ser este pigmento, ele deve ser muito melhor do que as pinturas à base de cal que até pouco tempo eram feitas aqui no sul do Brasil, pois este caia até mesmo com a força de uma chuva com vento. Que bom que algo tão antigo continua sendo usado de forma tão eficiente. Entendo que ferver a tinta para pintar é um ritual que acrescenta uma dose de amor na casa, uma vez que a pintura é realizada com tanto carinho e dedicação pelo proprietário e seus familiares.

Comments are closed.