Relatos de uma viagem…

Consegui fazer o mundo parar de rodar um minuto para poder descer aqui no blog e finalmente contar sobre nossa viagem de páscoa. Algumas memórias já estavam sendo apagadas. Para não correr o risco de esquecer tudo, voilà, aqui estou eu.

O primeiro dia de viagem foi super cansativo. Começamos a descida às 6h e dirigimos por quase 15 horas. Coisa de doido! Nosso (segundo) café da manha aconteceu às 9h numa dessas paradas de estrada (nas redondezas de Ödeshög) mas ao contrário do que muitos possam imaginar o lugar era super bonito.

O in?cio da viagem!!Vättern

O lago que vocês podem ver na foto chama-se Vättern (segundo maior da Suécia e quinto da Europa). Juro que me senti na Côte-D’Azur passando com o carro pela estrada e admirando sua água límpida e brilhante.

Passamos super rápido em Malmö, paramos apenas para almoçar, e seguimos rumo à Dinamarca. A viagem até Malmö durou mais de seis horas. Quem me conhece sabe, meus rins trabalham muito bem e a necessidade de parar era constante, o que fez nosso primeiro dia de viagem se tornar uma eternidade. 😕

Suécia-Dinamarca

É possível ir à Dinamarca a partir da Suécia de carro ou de trem (atravessando a ponte chamada Öresundsbron). Foi a minha maior experiência. Eu havia visto um documentário sobre a construção desta ponte (e do túnel “subaquático”) que liga os dois países e tinha muita vontade de vê-la de perto. A ponte tem quase oito quilômetros de extensão sem contar com os quatro quilômetros e cinquenta e cinco metros do túnel. (clique aqui para ver o desenho da ponte e do túnel)

Ponte entre a Dinamarca e a Suécia (Öresundsbron) Ponte na Dinamarca

Olha a prova! Turbinas eólicas no mar

A experiência é indescritível. As quatro fotos acima foram tiradas no trajeto da volta. De cima da ponte foi possível ver as turbinas eólicas instaladas no meio do mar e sentir que podemos produzir energia limpa. Não entendo argumentos contra as turbinas. Sujar paisagem?? Que nada!! Foi lindo. Quanto ao túnel, bem, sentir que você está entrando de carro nas profundezas marítimas foi emocionante, mas confesso que fiquei contente quando saí dele. Ah, mas nada é de graça. Atravessar a belezura custa 325 kr (cerca de R$ 93,00). Doi no bolso só em pensar…

Não paramos em Copenhague, apesar de termos passado perto. Estávamos pensando apenas no nosso destino final, não, minto, neste momento pensávamos era no intermediário mesmo, Bremen. A passagem pela Dinamarca foi bastante rápida.

Paramos apenas em um posto de gasolina para um café e sentimos no bolso o peso e a força da coroa dinamarquesa (um pouco mais valiosa que a sueca) e dos preços salgados. Pagamos 29 coroas dinamarquesas (37 coroas suecas, cerca de R$10,00) por um café e um pão de chocolate (claro que para meu viking) o que na Suécia custaria 18 coroas suecas (cerca 14 coroas dinamarquesas).

Alemanha

Já Alemanha é uma experiência a parte. Dirigir nas auto estradas alemãs é um sonho. As pistas são bem cuidadas, não existe pedágio (na Suécia e na Dinamarca também não) e a velocidade máxima recomendada é de 130 km/h. Vejam bem, disse recomendada. Excetuando a região de Bremen que recentemente delimitou em 120 km/h a velocidade em seu perímetro, pode-se dirigir em qualquer limite nas estradas alemãs.


Alemanha

Por outro lado, vi muita poluição (devido às usinas de energia – foto) e bastante tráfego. Outra coisa chata é que todos os banheiros pelos quais passei são pagos. Fiquei bem indignada em pagar 0,50€ apenas para visitar a casinha do monsieur bocão.

Ficamos numa pousada muito simpática e agradável. Ela se chama Blaue Villa mas reservamos através de outro site. Como reservamos muito em cima da hora (na véspera da viagem) pagamos 59€ a diária com direito a café da manhã (coisa rara na Alemanha e França, já que os preços do café da manhã podem variar de 7€ a 19€). Aconselho reservar hotéis e ou pousadas com bastante tempo de antecedência

Bélgica

Bom, pelo menos na Alemanha existe banheiro. Na Bélgica não encontramos um sequer. Pelo menos nas estradas que passamos. Covardia dos deuses! Mas a Bélgica sempre guarda surpresas. Esperem pela volta…

França

A viagem Bremem-Reims durou 7 horas. Chegamos bem mas um pouco cansados. Fomos correndo ver meu irmão e minha princesa, que estavam aproveitando o Printemps du Cinema (três dias com entradas pela metade do preço, ou seja, um adulto 3,50€) para dar aquela conferida num filme…francês, claro. O filme havia terminado quando chegamos mas a paradinha para um café foi inadiável. Eu estava morrendo de saudades do cafezinho francês.


Meus amores...

Nossa passagem por Reims foi deliciosa. Encontramos amigos e passamos momentos agradabilíssimos com todos. Dois dias passaram voando. Na terça pela manhã começamos nossa descida rumo à Saumur. Mas daqui para frente contarei num outro post. Aguardem as próximas cenas…

Uma novidade: a partir de hoje, ao clicar na palavra entre colchetes, será possível escutar a pronúncia das palavras ao final de cada post. O link não é de minha autoria. O mp3 é do site Lexin. Espero que não me dê problemas. (será que alguém sabe algo sobre isso?)

  • A palavra em sueco do dia é motorväg [motorvég], auto-estrada

5 thoughts on “Relatos de uma viagem…

  1. que delicia de viagem….
    essa ponte da dinamarca eu vi de dentro de um avião quando estava descendo em Copenhagen… mas adoraria passar sobre ela :-)
    ja estou esperando o próximo post :-)
    beijos

  2. paolasartoretto says:

    Jubis, tarefa para ti no meu blob, de quebra já lê sobre e participa da pseudo-blogagem coletiva do dia do trabalhador.
    Beijos

Comments are closed.