Vicky Cristina Barcelona de graça no cinema

Daqui a pouco estou saindo de casa para assistir ao mais novo filme de Woody Allen, Vicky Cristina Barcelona.

Sábado, vimos uma promoção no jornal que temos assinatura em que ganharíamos um par de convites de fossemos buscá-los num dos três cinemas anunciados. Bom, ontem, não me fiz de rogada, levei a carteirinha do DN e, assim, ganhamos os convites. A sessão começa já já, às 18h.

Uma coisita. Não leio sinopses nem críticas antes de ver filmes. Então tudo será uma surpresa. Ou quase tudo! A única coisa que sei sobre Vicky Cristina Barcelona é que nele rola o beijo mais comentado do ano.

Depois volto para contar minhas impressões!

Update: Fiquei sabendo ontem que a exibição foi a primeira da Suécia. O filme só vai estrear nas salas dia 10 de outubro. Sim, o cinema estava super cheio!!!

Gostei muito do filme. Muito mesmo! Woody Allen sempre surpreende. Aliás, não gostei de Scoop Match Point (também com Scarlett Johansson), mas isso é outra história.

A história é basicamente essa: As americanas Vicky e Cristina têm uma amizade de longa data e um dia resolvem passar o verão em Barcelona. A primeira está de casamento marcado. A segunda quer experimentar. O ponto é que ambas possuem um olhar diferente no que se refere a amor e relacionamentos.

Vicky procura estabilidade e tem sempre a certeza do que quer e Cristina, por outro lado, quer aventuras e sabe exatamente o que não quer. E assim, a historia dessas duas mulheres esbarra com a do artista Juan Gonzales, interpretado por Javier Bardem. O filme trata bem de certezas e dúvidas, relacionamentos e sexo com um humor típico “WoodyAlleano”, se é que posso assim classificar.

Não vou aos detalhes, assim estragaria para quem pretende assistir. No entanto, um ponto que me incomodou foi a voz do narrador (a qual muitas vezes é a de Woody Allen quando este faz parte da trama – e que, neste caso, me agrada bastante). O narrador não era ninguém, não fazia parte da historia e ainda por cima, adiantava frases que mais tarde seriam ditas (neste caso repetidas) pelos personagens. Incomodou! Quis dispensá-la do filme nos primeiros cinco minutos.

No mais, adorei ver Penélope Cruz como a psicótica ex-mulher de Bardem, bem escandalosa, é hilário.  Scarlett é linda, mas ainda não me convence como “ótima atriz” como dizem por ai. O papel de Javier Bardem é bem interessante. A novidade para mim foi Rebeca Hall, atriz que interpreta Vicky. Além de bonita, achei-a  bem talentosa.

Quanto ao beijo entre Scarlett e Penelope, sim, como a primeira também afirmou numa entrevista, não achei nada demais. Nada escandaloso nem que merecesse tamanha atenção da mídia especializada. Mesmo se eu não soubesse do beijo, pelo andar da carruagem no filme, me levaria a supor que aconteceria. :S

  • A terceira palavra em sueco do dia é kyss [x], beijo