Ridiculamente escorregadias…

Só passando para dar um oi e dizer que as coisas estão muito corridas. Provas, exercícios, exame médico além de outras coisitas estão me impossibilitando de escrever no blog com a frequência que gostaria. :(

Ontem fomos dormir às 22h. Estou acordada desde as 2h30. Tenho um exame de saúde para fazer hoje pela manhã que está me deixando muito nervosa. Além disso, amanhã, tenho uma prova que promete! Cabeça para estudar não tenho nenhuma. :(

No mais, parece que a primavera está batendo à porta. Dias ensolarados e céu cada vez mais azul para alegria da alma. 😀 A neve, que bateu recordes este ano, começa lentamente a derreter, deixando seu rastro de lama e superfícies ridiculamente escorregadias. :(

  • A palavra em sueco do dia é halka [rralka], escorregar

Design Gráfico: fontes, layout, ilustrações e perfil gráfico

Estou muito contente com o resultado da cadeira de Design Gráfico (Grafisk Design) que acabou há um pouco mais de  um mês. As notas foram só publicadas na última sexta feira, com algumas semanas de atraso, acabando com a aflição coletiva. Fui aprovada com VG (Väl Godkänt), trocando em miúdos, aprovada com mérito, tanto para os trabalhos individuais quanto para o projeto em grupo. 😀

Foram três os trabalhos individuais: tipografia, ilustração e layout. No primeiro deles, o mais fácil de todos, recebemos quatro palavras, as quais deveriam ser apresentadas com diferentes tipos de fontes além de um texto que justificasse a escolha da fonte utilizada e suas características.

Avbrott, Inbrott, Invandring, Utvandring

Avbrott, Inbrott, Invandring, Utvandring (respectiv, interrupção/suspenção, arrombamento, imigração, emigração)

Escolhi aprensentar as palavras desta forma mesmo sabendo que estaria quebrando um dos pontos solicitados no exercício, o de que as palavras vizinhas fossem dispostas na mesma linha. Justifiquei a escolha oralmente e o professor se mostrou muito satisfeito. Para minha sorte.

O segundo trabalho individual foi o meu maior desafio neste curso. Nunca havia aberto o Adobe Illustrator antes deste curso e o exercício consistia em fazer uma ilustração nossa baseada em uma fotografia. Tentei fazer este trabalho em diversas fotos, em vão,  e nem o exemplar entregue satisfez minhas exigências. :(

Foto de 2004 com minha bonequinha francesa e ilustração

Foto de 2004 com minha bonequinha francesa e ilustração

O terceiro e último trabalho individual consistia em copiar o mais próximo possível o modelo de layout de um jornal ou revista. Escolhi o caderno de cultura do DN e tentei chegar o mais perto possível das medidas originais do jornal, inclusive fonte, tamanho e cores.

DN2DN1

Fotos e texto foram fornecidos pelo professor. O desafio foi fazer o conteúdo caber exatamente nas medidas do jornal, sem sacrificar o texto. As fotos ao lado não estão bem alinhadas, mas o documento final, tanto impresso quanto na tela saiu com um resultado ótimo. 😀

Fiquei satisfeita com meus trabalhos individuais. 😀

Quanto ao trabalho em grupo, acredito que o objetivo seria de resumir as habilidades dos trabalhos individuais em um grande projeto. Não tenho nada a reclamar. Peguei um grupo super bom com meninas responsáveis e com sistema de trabalho que se assemelha ao meu. Conseguimos terminar antes do prazo final e todas, sem excessão, gostaram do resultado final.

Deveríamos escolher uma associação ou organização não governamental e construir um perfil gráfico (cores, fontes, formas) assim como produzir um cartaz, um folheto e um skiss de um site.

Escolhemos a associação Maskrosbarn (literalmente criança dente-de-leão) a qual dá suporte a crianças e adultos que de alguma forma conseguem/conseguiram construir boas relações sociais apesar de  uma vida/infância extremamente difícil ( pais com problemas psicológicos, drogados, alcoólicos etc).

maskrosbarn

Atual site da associação

Como vocês podem ver acima, a associação trabalha com cores vivas/fortes. Esta foi uma das primeiras características que nosso grupo escolheu modificar. Todas concordaram que o melhor a fazer era trabalhar com cores suaves/frias, que em suas características aportam calma e tranquilidade. Escolhemos um tom suave de verde.

MB1

Cartaz. "Você é uma criança dente-de-leão?"

Um outro ponto de fácil acordo entre nós foi o fato de trabalharmos com ilustrações em vez de fotografias. Acreditamos que um assunto tão delicado não seria fácil de trabalhar com fotografias. Então, decidimos modificar personagens do brinquedo Lego e ilustrar situações que essas pessoas (crianças dente-de-leão) poderiam passar no folheto e no cartaz.

Uma das oito páginas do folheto

Uma das oito páginas do folheto

Também retrabalhamos a logomarca, a estrutura do site e decidimos usar perguntas para que o público alvo pudesse se reconhecer no nosso material gráfico.

Skiss do site construido pelo grupo.

Skiss do site construido pelo grupo.

  • A palavra em sueco do dia é utmaning [utmãning], desafio, provocação
Reblog this post [with Zemanta]

Natal, trabalhos e provas em novembro

Pensei que teria um pouco de tranquilidade após a prova de HTML/XHTML, CSS, História da informática e legislação na internet, mas essa sensação foi apenas passageira.

Tenho de ler mais de 150 páginas para ler e fazer uma análise individual de um site que contenha Flash e entregar nesta sexta (detalhe, ficamos sabendo do trabalho ontem!) e preparar uma apresentação de grupo desta análise para a segunda. Paralelo a isso, ainda tem o projeto em grupo, claro (não esqueçam, isso é muito importante na Suécia!), o qual temos deadlines importantes a cumprir.

Mas o mais legal dessa correria é que surgiu um tempinho para comemorar o Natal com as Tipas. Sim, Natal! Isto porque uma das tipas já iria partir dia 24 de novembro para a terrinha. Se não adiantássemos nossa comemoração, não conseguiriamos reunir toda a turma antes de abril, já que cada uma tem uma data diferente para ir ao Brasil. :(

Natal Tipas 2009

Este ano, nosso terceiro Natal foi na casa de Ana, com direito a uma super árvore, decorações típicas e comida gostosa preparada com carinho pelas integrantes do grupo das “Tipas”. 😀

Sem mais delongas…vamos às fotos!

Natal Tipas 2009 Natal Tipas 2009 Natal Tipas 2009 Natal Tipas 2009 Natal Tipas 2009 Natal Tipas 2009Natal Tipas 2009 Natal Tipas 2009 Natal Tipas 2009 Natal Tipas 2009

Prometo que volto quando puder respirar… 😉

  • A palavra em sueco do dia é fira [fiira], celebrar, comemorar, festejar (mas também, matar aula e soltar – a corda de um barco, por exemplo)

No post-it amarelo…

post-itPode parecer bobagem, mas cada avanço meu, seja no sueco como em qualquer tipo de trabalho/esforço que faça por aqui, festejo com entusiasmo. Minha aprovação no curso Introdução a Técnica Midiática (Medieteknik) levantou o moral. 😀

Ontem, ao receber o trabalho corrigido fiquei ainda mais feliz em ver os pouquíssimos, para não dizer raros, erros de sueco e ainda um bilhetinho em um post-it amarelo no final do trabalho onde dizia algo como:

G
Bom!

Você escreve minuciosamente e bem. Alguns erros gramaticais aqui e ali que se corrigidos poderiam tornar o texto ainda melhor. Bom manejo com as referencias, mas verifique as referencias digitais diretamente no texto.

Durante este semestre tenho quatro cadeiras que compõem o curso de Técnica Midiática (TM). A nota para cada cadeira está entre aprovado (G) e não aprovado (IG). Ao final do semestre, a média das cadeiras dará a nota do curso TM.

Agora é esquentar os tambores para a apresentação do nosso trabalho de grupo amanhã e a defesa na sexta. Assim que apresentar, publico aqui nossa produção. :)

  • A palavra em sueco do dia é utförlig, [utfórlig], minucioso, detalhado, exaustivo

“Despertencimento” ?

Comecei a pensar nesse post ainda no trem de volta para casa. Pena que muita coisa se perdeu na minha mente. Mas o que queria dizer é que  a sensação de não fazer parte de um grupo está me incomodando imensamente . Não falo especificamente um grupo de trabalho, mas da turma com a qual estou estudando. E essa sensação é muito chata.

A sensação de não pertencer a algo, ou não ser/estar incluida em, é muito estranha. Acreditem, não é uma relação passiva. Eu me esforço. Mas bom, esforçar não é bem a palavra que eu gostaria de descrever meu comportamento. Esforçar para mim significa fazer força para conseguir algo. Eu não estou fazendo força, estou sendo eu mesma. E talvez seja esse o meu erro. :( Não sei, mas na minha cabeça tudo anda muito confuso.

Só sei que estou cansada. E triste. Poderia elencar as coisas que me fazem ficar desta forma, mas soaria muito mais como “tadinha, pobrezinha, não tem amigos na escola”. Nunca gostei dessa posição.

Uma coisa é que percebi que cada vez que vou para a faculdade e volto ouvindo músicas queridas tenho mais saudades dos meus amigos (e os olhos enchem de lágrimas). Talvez seja também pelo fato de eu não estar enturmada (o que não exclui a saudade dos amigos quando ouço as músicas!). Mas essa relação de não ter com quem dividir o conhecimento, tirar dúvidas e mesmo discutir me faz pensar em como sinto falta de ser acolhida pelos meus queridos.

A vontade que dá é a de pegar o primeiro avião rumo à Recife só para poder se sentir querida em um grupo que sei que não vai me “julgar” pela minha origem, questionar meu saber por causa dela ou ser vista como uma pessoa que não domina o idioma que o restante está acostumado a ouvir.

Um exemplo da questão do idioma é o caso de um dos nossos professores, que é francês. Ele mora aqui há 10 anos e ainda precisa parar para refletir alguns segundos antes de dar alguma informação mais profunda. Ouvi comentários de algumas figuras da minha sala dizendo que é muito dificil (senão horrivel) assistir uma aula dele pois fala errado e tem um sotaque muito forte. Além disso, ainda ficaram fazendo gracinhas de alguma palavra que ele pronuncia diferente ou que fala errado.

Isso pode parecer bobeira, mas o fato de eu ter outra língua materna que o sueco, falar com sotaque, precisar refletir antes de falar (para que tudo saia correto aos meus ouvidos) e mesmo depois de todo esses esforço ainda falar errado, a crítica ao professor mexeu comigo. Até porque, gosto dele. :)

Tento não me importar, mas é difícil deixar esse sentimento passar desapercebido. Fico e estou triste, é fato.

Mas…dia 19 começaremos um primeiro grande trabalho em grupo. Se eu não em engano, será um projeto onde iremos criar um perfil gráfico para alguma empresa/produto/cliente fictíci@. Será uma oportunidade de ou tirar essa má impressão criada/causada nesses quase dois primeiros meses de aula ou de confirmar tudo. Vamos ver no que dá.

  • A palavra em sueco do dia é utanförskap, [utanfórshkóp], “despertencimento”, não pertencer a algo
Reblog this post [with Zemanta]

Trabalhe e empreste seu sofá

Minha vida high-tech está completamente inundada de coisas. O blog anda bem abandonado mas prometo que em breve a programação normal voltará.

Em apenas duas semanas intensas de aulas diárias (das 9h as 16h) tenho nada menos que:

  • uma prova para fazer em casa com prazo até dia 23 de setembro
  • escrever a entrevista que fiz hoje com uma colega de sala
  • tratar uma foto que ela tirou minha (a entrevista + a foto são para o dia 17)
  • uma capa de um CD de um artista (conhecido ou inventado) – para o dia 18
  • manter um blog em sueco sobre as aulas e fazer alguns exercícios solicitados pelos professores no blog
  • sem contar com os workshops de audio-visual de amanhã e sexta nos quais vamos trabalhar com imagens e sons para possivelmente montar um video baseado em associações. Este será meu primeiro trabalho em grupo. O video-história já é para ser apresentado na sexta, 11 de setembro.

Isto porque não estou contando como trabalho o restante do material gráfico para o BrasilCine (programa do festival + outras coisinhas). O festival acontece em 3 semanas e estamos a todo o vapor começando com o trabalho de publicidade. :) Os cartazes e flyers chegaram hoje e estou boba boba com o resultado. É como olhar para um filho depois do parto! 😛 Bom, pelo menos é assim que encaro o resultado do meu trabalho. Super gratificante.

Apesar da quantidade de trabalho, estou adorando. Estou bem satisfeita mesmo. Mas estou exausta exausta exausta.

Para não ficar só falando no que tenho que fazer, quero mostrar a vocês a dificuldade que estudantes est~?o tendo para encontrar um apartamento de estudante. Voilà um cartaz que vi no banheiro (sim, no lado interno da na porta do banheiro):

lana_ut

Empreste um sofá – Cuide de um novo estudante

O texto abaixo desse título pede para que os estudantes que já moram em apartamentos voltados para estudantes sejam solidários e emprestem um sofá por algumas semanas para aqueles que ainda não conseguiram moradia. Desta forma os novos estudantes terão oportunidade de começar os estudos.

Detalhe: a foto está péssima! Não dá para esperar muito de uma foto tirada em um lugar especialmente feito para que outras atividades sejam realizadas. 😛 Sem contar a iluminação feiosa.

Bom, vi ha alguns dias que em cidades universitárias como Estocolmo, Lund e Gotemburgo, muitos estudantes que ainda não conseguiram moradia estão dormindo em barracas de camping improvisadas pelos diretórios acadêmicos e DCEs. As matérias não param de aparecer na mídia já que o outono já está batendo na porta e as temperaturas a noite já começam a cair.

  • A palavra em sueco do dia é utmattad [útmátad], exausto, esgotado

A mais velha ou a mais experiente?

Description unavailable

Image by *iFatma via Flickr

Em todos os grupos em que participei na vida, seja de escola, universidade ou amigos, sempre fui a mais nova. Sempre tive esse lado (ou hábito, ou o que vocês queiram chamar) de me relacionar com pessoas mais velhas. Sempre me identifiquei mais com pessoas com mais idade do que eu do que com meus equivalentes.

Dessa vez, parece que a coisa vai mudar um pouco de rumo. Quando me inscrevi para as graduações, sempre tive em mente que iria estudar com pessoas saídas do segundo grau (não necessáriamente 17, 18 anos – já que normalmente suecos “dão um tempo” após o final dos nove anos obrigatórios do ensino fundamental e médio).

Então não é um alarde enorme descobrir que em meu grupo, ou melhor, sub grupo (o professor dividiu a sala em 4 sub grupos no intuito de poder discutir melhor os textos distribuídos), eu sou a mais velha. Ou que tem mais idade, ops!, experiência, diria minha mãe. 😀 Isso não é problema algum para mim, mas de qualquer forma, mexe um pouco.

No total, somos 65 alunos na graduação (IMD-09), mas em alguns seminários, chegamos facilmente a 120, quando alunos dos cursos independentes (friståendekurs) se juntam ao grupo. Difícil é guardar o rosto de todos, já que nomes eu nem considero conseguir lembrar nesse primeiro momento.

Ainda não fomos apresentados. E nem acho que seremos. Mas espero poder me entrosar logo (mesmo tentando percebo que não é fácil se fazer amizades com meus colegas de grupo), já que acho um saco ficar das 10h às 16h (ou mesmo até as 17h) “sozinha” ou sem falar com ninguém. Mas bom, espero que essa minha impressão seja apenas primeira impressão e que logo logo eu esteja falando muito sueco com colegas de classe. 😀

  • A palavra em sueco do dia é äldst [éldst], o(a) mais velho (a)

Condutor em treinamento e seleção

Antes de todos os posts acumulados sobre passeios e visitas, queria escrever aqui duas coisas ocorreram em junho que me deixaram muito chateadas.

Como alguns de vocês sabem, estou estudando para tirar minha carteira de motorista sueca. Infelizmente, a Suécia não aceita fazer a troca da carteira brasileira com a sueca (como na França). Isto significa que meus 10 anos de carteira não são muito úteis (sim, claro que tem seu lado positivo). Para quem tem o visto de residente na Suécia, é permitido dirigir com a carteira brasileira apenas no primeiro ano de moradia no país. Depois disso, é adquirir a sueca.

Na Suécia nao é obrigatório ter de ir a auto-escola para tirar a carteira. O que é ótimo, já que o valor da carteira pode chegar facilmente a 20 mil coroas (+ de 5 mil reais) com a auto-escola. Uma pessoa que possui mais de 5 anos de carteira e tem 24 anos completos pode ser teu instrutor após passar por um curso de três horas junto com o aluno. Depois é só sair dirigindo com o instrutor do lado e uma plaquinha verde colada no carro que diz algo como “condutor em treinamento”.

Pois bem, eu e meu viking decidimos que seria uma boa ideia pagar duas horas (ou 2 x 45 min) de aula prática no intuito de aprender como o condutor é avaliado e dirigir “suecamente como iniciante”. Fomos a auto escola às 8h30 da manhã para a aula. Meu viking, que é meu instrutor particular, no banco de trás, o instrutor da auto escola do meu lado e eu no volante.

Um parênteses:

Dirijo desde os 17 anos e modéstia a parte faço isso muito bem. Pego todo e qualquer carro sem problema algum e não faço diferença em dirigir na estrada, na cidade no mato, em pista de barro, alagamentos etc. Não sou barbeira. Na verdade sou bem educada no trânsito.

Fecha parênteses

Depois de 15 min de condução,  o instrutor pede para eu parar o carro e me dá algumas dicas. Após mais cinco minutos ele pede para eu parar novamente. Ele começa a fazer uma alusão a uma limousine (como ele gostaria que eu conduzisse). Ele diz que gostaria que eu dirigisse tão sutilmente que se ele pusesse um copo de café no tabelier do carro o líquido não derramaria. Eu estava tão nervosa (detesto ser avaliada!) que falei que não entendi o que ele havia explicado.

Bem, a didática dele parece ter ido para as cucuias, se é que tem. Ele simplesmente disse que eu dirigia como um “dålig taxichauför”, ou seja, um péssimo motorista de taxi. Sem querer me alongar demais, isso me machucou muito. Chorei horrores quando cheguei em casa. Hoje já estou melhor, mas a cada tentativa de dirigir, me lembro do que ele disse, o que não me faz bem. Confesso que foram as duas horas mais caras que pagamos na nossa vida para ouvir alguém falar mal de mim. :( Essas duas horas custaram 1200 coroas (em torno de R$ 310,00).

solsorrindo.gifsolsorrindo.gifsolsorrindo.gif

A segunda coisa que me deixou triste é que fiquei na reserva de todos os cursos de graduação (chamados de programas) para os quais me inscrevi nas universidades. Devido a crise financeira e o grande número de demissões na Suécia, as universidades tiveram um aumento de 13% no número de inscrições para o ano letivo que começa no final de agosto (HT2009).

Apenas para os programas, houve um aumento de 22% nas inscrições.  Na minha faixa etária, dos 25 aos 34 anos, o aumento foi de 19%. Concorri também com os 21% a mais de jovens até 24 anos e com os 14% das pessoas acima dos 35.

Além disso, minha primeira opção de curso teve uma redução de 30 vagas em relação ao ano anterior. Em 2008, tinham 65 vagas disponíveis, mas aceitaram 100 pessoas. Este ano, 70 vagas estavam disponíveis, mas so 70 foram aceitas. :( Em 2009, na primeira seleção, 545 pessoas se inscreveram, enquanto que em 2008, foram apenas 362 pessoas.

Imagem: Ljudolf

Dos três programas que me inscrevi, fiquei respectivamente na reserva de número 49, 49 e (pasmem!) 213.

Na quarta-feira desta semana saiu o resultado da segunda seleção (após as pessoas terem aceito/respondido ou não o resultado da primeira seleção). Ainda estou na reserva da minha primeira (4 pessoas na minha frente), mas fui aceita na segunda opção.

Todas as pessoas com as quais falei me disseram que eu tenho uma grande chance (para não dizer 100% de certeza) que entrarei na minha primeira opção. Li na página da universidade que mesmo aqueles que estão na reserva (com um número baixo) receberão uma carta para comparecer no dia do registro, o que é o meu caso. Bom, ainda vou tentar entrar no primeiro programa, então é so esperar as cenas dos próximos capítulos. Daí, entro em detalhes sobre o curso. 😉

  • A palavra em sueco do dia é urval, [urvál], seleção

Me deixe estudar, cara-pálida!

fumacinhaEstou extremamente irritada. Ontem fui à universidade ver a possibilidade de fazer um curso escrito de francês e não gostei nada do que aconteceu. Vamos aos detalhes.

Falei há um tempo dos cursos que estou fazendo. No final do mês comecaria o quarto deles, mas não estou com vontade de fazê-lo. Descobri muita álgebra e afins na grade do curso, o que me fez refletir e chegar a conclusão que não estou afim de encarar muita matemática.

Detalhe importante:Na Suécia, não se estuda várias cadeiras ao mesmo tempo durante um semestre. Os cursos são divididos ao longo do período o que faz com que você estude profundamente cada disciplina em um ou dois meses, por exemplo.

Eu estou fazendo 3 ao mesmo tempo, o que significa muito conteúdo para assimilar e processar em curtos espaços de tempo. Não imaginei que fosse ser tão pesado! :s

Mas bom, dois cursos terminam no final de março. Daí fico apenas com o de fotojornalismo. Mas se eu não quero mais estudar o curso cheio de matemática, preciso substituí-lo por outro, para completar os 15hp que preciso ter em Estocolmo. Seguindo a sugestão de  Jo, fui procurar um curso de francês e achei um muito interessante na Universidade de Estocolmo.

Com isso, completaria meus 15hp, daría uma refrescada na memória e não ficaria tão pesado, já que o curso é dado em apenas 5 ocasiões, 1 vez por semana até junho, o que significa aulas espaçadas e tempo livre para fazer outras coisas (como continuar procurando emprego, escrever no Brassar e no blog, assessorar o BrasilCine e descansar um pouco!)

Para fazer o curso de Francês escrito, é necessário ter cursado Frances I: na prática é tudo o que fiz na França!

Pensei: “moleza, vou apresentar meus diplomas, notas e certificados, eles vão ver que tenho nível e começo o curso dia 16 de março”.

Que nada! Mera decepção. Há dois dias recebi uma mensagem da coordenadora do curso dizendo que não estou qualificada para fazer o curso pois me falta conteúdo. Respondi educadamente a mensagem pedindo uma reunião e a noite enviei outra mensagem na qual escrevia todo o conteúdo dos cursos q fiz na França durante os dois anos que lá morei. Não obtive resposta.

Não me dei por vencida. Fui ontem a uni munida de argumentos e papeis. Lá chegando, a coordenadora já foi dizendo que eu não tinha qualificação.Pedi para ela olhar meus documentos… Vamos ao diálogo:

Juliana – Eu te enviei um email com o conteúdo dos…

Coordenadora – Sim eu vi. Mas como disse, você não tem qualificação.

J – Mas você não pode olhadinha nos meus pa..

C – Não vai adiantar. Estudar frances em outro país [leia-se FRANCA] não é a mesma coisa que estudar Frances na Universidade de Estocolmo.

J – Mesmo se o conteúdo é praticamente igual? Mesmo se a pontuação de um semestre na França equivale a pontuação sueca?

C – Você não sabe qual é o conteúdo de Frances I. Você também não sabe se equivale

hexagJ – O conteúdo está disponível na…

C – bla bla bla

J – Eu estudei Civilização, Literatura Gram…

C – Você não entendeu ainda. Existe um momento no curso onde estuda-se a gramática francesa e a sueca ao mesmo tempo [o que provavelmente é TRADUCAO como  eles costumam ensinar línguas estrangeiras] o que é impossível de ter estudado na França.

J – Meu namorado estudou na França e os pontos foram equival….

C – Se você tiver cópias dos seus documentos eu posso dar uma olhada,mas se for original não posso ver. Vá tirar cópias e deixe aqui comigo.

Saí da sala dela e assim que peguei o elevador começei a chorar. Me senti impotente. Ela não me deixou completar uma frase. Ela não estava interessada em me ouvir. Liguei para meu viking e ele me aconselhou a tirar as cópias (a esta altura eu não queria fazer mais nada!) entregar a ela e em caso de resposta negativa, recorrer da decisão.

Putz, como é que eu não posso fazer esse curso? Como assim, não tenho qualificações, cara-pálida!!? Desde que mudei para a Europa eu só faço estudar!!! Estudei francês de “cabo a rabo”, indo e voltando, de trás pra frente e pelo avesso, sueco, inglês, fiz tudo o que era necessário para poder ter as qualificações que se exige para entrar numa universidade sueca e a cara pálida me diz que não sou qualificada!! Fai catar coquinho!!!

Ela bem pensa que eu não tenho capacidade de traduzir algo do sueco para o frances ou vice versa!! “Existe um momento no curso onde vivamente estuda-se a gramática francesa e sueca??” Mas o que eu fiz durante esses cinco anos na Europa, dois na França três deles  aqui nessa terra, dona moça?? Foi estudar FRANCES e SUECO!! Sou capaz sim!! Tenho qualificações sim!! Você é que ainda não enxergou isso, cara-pálida!

Tenho que me acalmar, senão minhas dores de estômago voltam! Até tinha dado uma trégua. Desde ontem, estou com dor novamente! :(

Update 15h30: Acabei de receber um email da cara-pálida dizendo que fui aceita no curso!! Estou toda contente!! 😀

  • A palavra em sueco do dia é maktlös, [máktlós], impotente, sem forças (no sentido de autoridade)