Depois do cano, espero um “milagre”

Apesar do prognóstico positivo de que posso reaver o dinheiro, não conto mais com ele. Não quero criar falsas esperanças. Mas quero que ela seja punida. 

O negócio é o seguinte: Vocês sabem que estou fazendo um curso de fotografia. Então, desde antes do curso estou a procura de uma Canon 450D. Mas com a desvalorização da coroa frente ao euro, produtos eletrônicos tornam-se pequenas fortunas, as quais eu não quero, não tenho coragem nem estou preprarada a pagar.

Aqui existe um site bastante popular para venda/troca/doação de objetos de segunda mão. Ao mesmo tempo que pode ter  muita porcaria por lá é possível encontrar coisas muito úteis e em bom estado e principalmente com preços bastante atrativos. Aqui em casa já compramos várias coisas/móveis no Blocket, inclusive nosso carro foi comprado por lá. Pessoas de toda a Suécia anunciam no Blocket todo e qualquer tipo de objeto. E os negócios acontecem numa rapidez incrível.

O site é apenas um intermediário que não tem nenhuma responsabilidade como empresa. Portanto, eles não podem ser responsabilizados legalmente por fraudes as quais as pessoas são submetidas ao comrprar objetos através do site. No entanto, eles são de grande ajuda, se ela for  necessária. Mas uma coisa que eles sempre pontuam é a de que as pessoas não enviem dinheiro adiantado e inclusive estimulam a usar serviços que sejam seguros tanto para quem compra como para quem vende. Isto para mim é mais do que claro que não deve ser feito!

Bom, segunda-feira passada encontrei uma câmera pela metade do preço do mercado. Liguei, a proprietária ainda não havia vendido, fechamos negócio e ela me ligaria a noite. Ela queria o dinheiro adiantado. Propus outras opções, mas ela não se mostrou flexibel. 

Detalhe: Não me sinto confortável em falar sueco ao telefone. Principalmente com quem não conheço. O nervosismo bate e em vez de prestar atenção ao conteúdo das frases, estou mais preocupada em entender o que é dito. O que me deixa ainda mais nervosa. 

Quando falei com ela durante o dia, meu viking estava no trabalho e queria que eu fizesse o negócio, apesar de não me sentir confortável. A noite, com ele em casa, recebo a ligação da vendedora que me dá o número da conta. Transfiro o dinheiro (a contragosto!!! meu viking dizendo que não iria acontecer nada) e envio uma mensagem.

Na terça, 20 de janeiro, ela me liga para dizer que enviou a câmera e que chegaria no mais tardar na quinta, 22 de janeiro. Ponto. Esqueci de pedir o número para rastrear o pacote. Até hoje a câmera chegou!

Na quarta, enviei uma mensagem que ela ainda não recebeu (e nem vai). Desde então, ligo e o telefone só dá desligado. Tinha o nome, endereço, conta do banco e o único número de telefone, o qual descobri que é um simples chip  sem obrigação de registro na operadora comprado em qualquer loja. Fiz meu pequeno trabalho de detetive para descobrir como poderia entrar em contato com a figura. Sem sucesso. Até para a Receita Federal enviei mensagem! (Na Suécia existe uma lei onde todos podem ter informação sobre todos, mas não é tão simples de se conseguir como pode parecer!)

Sexta, num misto de raiva e tristeza, liguei para a polícia para registrar queixa e dar as informações que eu havia descoberto mas fui aconselhada a registrar a queixa na segunda, no caso, ontem, pois poderia ter havido algum problema com os correios. Ontem, portanto, liguei e prestei queixa. O policial me assegurou que fazendo o pagamento a uma pessoa que possui conta em banco sueco, as coisas se resolvem (o que eu interpreto como ser reembolsada). Mas como disse não quero alimentar esperanças.

Vamos esperar para ver no que dá! Aguardem cenas dos próximos capítulos…

  • A palavra em sueco do dia é bedrageri , [bêdraguerí] fraude