Analisar, planejar, organizar e construir

Queria estar com tempo para escrever mais. O blog está quase às traças, eu sei, mas vou tentar aos poucos voltar a um ritmo de postagens aceitaveis para mim. Desde que chegamos do Brasil, há exatamente uma semana, não parei um minuto sequer.

As aula começaram imediatamente e com a surpresa de pagar duas cadeiras ao mesmo tempo. 😮 Voltei com um gás incrível e estou super empolgada com os estudos. O que não anima são algumas das malas para desfazer que ainda estão ocupando uma parte da nossa salinha. :( O clima está do jeito que gosto, neve, frio e com a previsão de esfriar ainda mais nos próximos dias. :mrgreen: Ou mesmo em fevereiro, o mês mais pesado do inverno. E eu, sorrindo. 8)

Antes de escrever algo sobre o Brasil, e postar algumas fotos, preciso comentar sobre as cadeiras que estou pagando no início deste semestre na faculdade. A primeira delas chama-se IIOS (IT för individ, organisation och samhälle), ou seja, Tecnologia da Informação para o indivíduo, organização e sociedade. É uma cadeira mais teórica do que as que já paguei até agora no curso, mas com um conteúdo mais prático. Explico.

Encaro IIOS como um curso de estratégia, análise, planejamento e implementação de projetos. Durante o curso, teremos dois exerícios vitais, com foco mais aprofundado no segundo deles. O primeiro é servir de cliente, encontrar um problema real, descreve-lo e solicitar uma solução; escrever um projeto e entregar. Nosso grupo já fez tudo isso. 😀

Quem somos” :a cadeia de restaurantes fast-food sueca Max.

"Os melhores Hambúrgeres da Suécia" é o slogan do MAX. Imagem: divulgação

“Nosso” problema: as grandes filas nos horários de pico nas lojas do centro de Estocolmo. Alguns dos restaurantes Max já possuem telas nas entradas dos restaurantes nas quais você pode sozinho adiantar seu pedido e ser atendido em um caixa rápido para o pagamento e o recebimento da refeição, reduzindo assim as filas de espera.  (Uma das exigências do exercício foi a já existência de um sistema). No entanto, o que queremos é simples. Um sistema que diminua ainda mais as filas, seja mais rápido, eficientes, simples e seguro para o cliente.

A solução: bom, esta parte do projeto ficará para outro grupo. 😛 Esta é a segunda parte do exercício a qual me referi acima. A nossa equipe ficará responsável pela solução do problema de um dos outros cinco grupos que compõem nossa subdividida sala (no total somos 12 grupos de 4-5 pessoas)

Assim que souber mais detalhes da segunda fase, passo por aqui e atualizo as informações. Eu estou suuuper empolgada. 😀

Já o segundo curso chama-se DBDM (Databaser och Datamodellering), que significa Base/Banco de Dados e Modelagem de dados. Neste curso vamos aprender a planejar no papel a construção e a organização de um banco de dados (BD) para em seguida fazer com que esta informação seja “traduzida” para um banco de dados que nós mesmos iremos contruir.

Ao final desta cadeira, é esperado que o aluno possua competência para trabalhar com programas de banco de dados assim como construir  um BD bem estruturado e acessível. Eu estou adorando desenhar retângulos, losangos, círculos e fazer com que os objetos neles se relacionem, transformar essas informações em tabelas e entender como coisas do dia a dia nesta minha vida high-tech funcionam. 😀

Reprodução de uma modelagem de banco de dados do livro Databasteknik (databasteknik.se)

Por mais que seja complicado e mais difícil do que pareça, este desafio está com um gostinho muito bom.

A única coisa que desanima é que até a metade deste semestre terei duas provas. DETESTO provas! :( Mas bom, nem tudo é perfeito!

Siiiim!! Fui aprovada em todas as cadeiras do semestre passado!! 😀

  • A palavra em sueco do dia é bygga [b(uy)ga], construir

Tendências para Internet – Campanhas na Web

Semana passada tivemos um seminário com um convidado especial. Philip Arvidson é ex-aluno da graduação IMD que hoje está no mercado de trabalho.  Ele trabalha na agência de comunicação Futurniture, responsável por algumas campanhas da IKEA, IF, Sida, Brio, SMHI etc.

Diferente de Peter Siljerud com as 10 IT trends, Arvidson trouxe para os alunos uma apresentação sobre tendências para internet focadas em campanhas para web. Além disso, introduziu termos como Prosumers (producers e consumers), User Generated Content e Webb 2.0 como ferramentas para os cases que iria apresentar mais a frente.

Um outro ponto apreciado pelos alunos foi a apresentação de casos do que chamamos no Brasil de Marketing Viral (campanhas que se “reproduzem” como virus com ajuda, por exemplo, de mídias sociais). Ele sublinha que existem quatro pontos para que o marketing viral dê certo:

  1. Engajar os prosumers com questões que tocam;
  2. Extremo entretenimento (o que faz as pessoas levantarem a sobrancelha e acharem estranho/bizarro);
  3. Deixar o usuário ser o ator principal;
  4. Enganar  o usuário com mensagens camufladas.

Engajar os prosumers com questões que tocam

A Futurniture produziu uma campanha a fim de conscientizar a população sobre a injustiça das ajudas humanitarias. A campanha pretende mostrar que os países pobres fornecem muito mais riqueza aos países já ricos do que recebem em forma de ajuda/assistência financeira.

Para isso, criaram um vídeo onde o povo de algum país africano pede ajuda financeira para a “pobre” Suécia (mostram produtos suecos, danças nativas e fotos da população necessitada). O vídeo é rodado na língua nativa do país africano e faz campanha para o site Help Sweden, o qual pessoas podem ajudar os pobre suecos.

Ao entrar no site, os usuários terão uma pequena surpresa. Deixo para que vocês confiram. Só peço a todos que visitarem o site para assinar a lista. Quem chegar lá e clicar em algo, vai entender. 😉

Extremo entretenimento

Para o ponto 2, Philip apresentou duas campanhas em vídeo, uma da vodka Absolut e outra do chocolate Cadbury (abaixo). Deixo para o julgamento de vocês, mas a da Absolut realmente não mexeu com tico e teco. Não gostei. Já a do chocolate…humm achei bem legal.

Segundo Arvidson, é muito fraca nesse tipo de publicidade a ligação da marca com a campanha produzida e que muitas vezes é apenas o logotipo em algum canto da tela que cumpre esse papel. Mas é justamente por seu papel inovador que este tipo de campanha torna-se eficaz para que seja espalhada pelos usuários que acharam interessante.

Deixar o usuário ser o ator principal

Neste ponto, sites utilizam por exemplo as mídias sociais e mesmo web cameras para permitir que o usuário controle, ou melhor, participe da publicidade e com isso (ao se ver na publicidade) espalhe o conteúdo para os amigos por meio de emails ou rede de relacionamentos.

Exemplos disso podem ser vistos em execução na campanha da Philips (Manligsårbarhet ou Vulnerabilidade Masculina, em português) onde você pode pegar uma foto do seu computador, ou tirar na hora com ajuda da sua web câmera, escolher um texto gravado já disponível e usar a boca que o site te oferece (já com o texto). Pronto. Você é o ator principal da publicidade. Ao final, você poderá espalhar esta publicidade entre seus amigos do Facebook.

Enganar  o usuário com mensagens camufladas

Essa é uma das artimanhas que pode ser considerada uma faca de dois gumes. Primeiro porque muitos usuários/consumidores podem se sentir enganados e tomar aversão à marca. Enquanto que outros podem adorar a forma como o produto/a marca é/foi apresentada.

Um dos exemplos que Arvidson apresntou foi a campanha criada pela agência Goodby Silverstein & Partners para o jogo Mario Land Shake it. A agência não queria apenas criar um vídeo do jogo e colocá-lo no youtube. Desta forma, ele seria apenas mais um na multitude de vídeos inseridos no site diariamente.

Com isso em mente, decidiram usar o que o jogo tem de interessante (os pulos e os movimentos de Mario) para destruir a interface do youtube. Enquanto você pensa que está apenas assistindo a um vídeo de um jogo, cada vez que Mario quebra algo no vídeo, um pedaço da página do youtube se destroi. O vídeo original (que hj não está mais em funcionamento) recebeu mais de seis milhões de visitas! Isto mesmo, 6 000 000! de visitas.

Ficaram curiosos? É possivel ainda ver o vídeo Mario Land Shake it – Amazing Footage na página da agência e ao mesmo tempo ouvir como a equipe responsável pensou a estratégia de marketing. Divirtam-se. 😀

O vídeo abaixo foi ripado do próprio youtube enquanto o original estava no ar.

Em um próximo post, comento outras dicas de Philip Arvidson para campanhas na Web.

  • A palavra em sueco do dia é marknadsföring [marknadsf(oe)ring], marketing, publicidade
Reblog this post [with Zemanta]

No post-it amarelo…

post-itPode parecer bobagem, mas cada avanço meu, seja no sueco como em qualquer tipo de trabalho/esforço que faça por aqui, festejo com entusiasmo. Minha aprovação no curso Introdução a Técnica Midiática (Medieteknik) levantou o moral. 😀

Ontem, ao receber o trabalho corrigido fiquei ainda mais feliz em ver os pouquíssimos, para não dizer raros, erros de sueco e ainda um bilhetinho em um post-it amarelo no final do trabalho onde dizia algo como:

G
Bom!

Você escreve minuciosamente e bem. Alguns erros gramaticais aqui e ali que se corrigidos poderiam tornar o texto ainda melhor. Bom manejo com as referencias, mas verifique as referencias digitais diretamente no texto.

Durante este semestre tenho quatro cadeiras que compõem o curso de Técnica Midiática (TM). A nota para cada cadeira está entre aprovado (G) e não aprovado (IG). Ao final do semestre, a média das cadeiras dará a nota do curso TM.

Agora é esquentar os tambores para a apresentação do nosso trabalho de grupo amanhã e a defesa na sexta. Assim que apresentar, publico aqui nossa produção. :)

  • A palavra em sueco do dia é utförlig, [utfórlig], minucioso, detalhado, exaustivo

Tecnologia da Informação, mídias e design

pernas_arEnfim, o resultado. Na segunda-feira foi o dia da chamada e registro para quem foi aceito na graduação do curso IT, Medier och Design (Tecnologia da Informação, Mídias e Design) da Universidade de Södertörn.

Descobri que o número da minha reserva (5) não me daria necessáriamente o quinto lugar, pois tudo indica que a cada número de reserva existiriam vários “candidatos” concorrendo a uma vaga. Whatever, eu não desanimei depois dessa informação. Na verdade estava de uma tranquilidade impensável. Até estranhei o  meu não nervosismo. Mas bom, valeu a pena.

Entrei no curso que tanto queria e estou radiante de felicidade. 😀

O engraçado é que foi minha primeira vez em uma “chamada”. Quando se é aceito em algum programa (cursos de graduação), existe uma data para a “chamada” e registro. Essa chamada é quando se diz se a pessoa pretende fazer o curso ou não. Ela é obrigatória pois apenas ter sido aceito não te garante a vaga. É preciso se apresentar no dia do da chamada. E foi assim que eu consegui entrar. Mais de 15 pessoas que haviam sido aceitas não compareceram. Além disso, algumas pessoas da reserva, cuja classificação era ainda melhor do que a minha, também não foram.

Daí pof, uma das vagas veio para mim! Achei tãããão ruim.  😛

Mas bom, agora para matar um pouco a curiosidade vou traduzir o resumo do curso:

IT, Medier och Design (Tecnologia da Informação, Mídias e Design), Södertörns högskola

As pessoas, organizações e empresas se tornaram cada vez mais dependendes de técnicas midiáticas digitais e técnicas de informação. Esse novo desenvolvimento provoca mudanças no papel do profissional assim como produz novos ofícios. Conhecimento e habilidades em design e análise de técnicas midiáticas e de informação proporciona possibilidades favoráveis a empregos em uma extensa área atuação. Esta graduação de três anos vai te dar conhecimento em técnicas de informação, comunicação e design assim como um bom entendimento do efeito dessas técnicas de informação no indivíduo e na sociedade.

O curso

Técnica midiática é a disciplina principal da graduação. Técnica midiática är um tema com caráter multidisciplinar cujos conceitos interatividade, narrativa, comunicação, usabilidade, design de interação etc são elementos centrais. Você combina o curso sobre os efeitos das técnicas midiática e de informação no indivíduo e na sociedade com cursos práticos e voltados a área como gráfica digital, multimídia, programação, design de interação, designmetodik (?? – design metódico, metodica do design – ??) e comunicação.

As aulas combinam o trabalho individual com projetos em cursos nos quais os estudantes trabalham em grupo em grandes projetos em comum. Nos quatro primeiros semestres, todos os alunos estudam disciplinas em comum dentro das áreas de técnica midiática e informática assim como matérias específicas na área de design de interação, organização de projetos e web. Nos dois ultimos períodos, é dada a oportunidade de um aprofundamento nos cursos, monografia obrigatória no tema de Tecnologia de Informação, Mídias e Design e um projeto de conclusão de curso. Ainda existe a possibilidade de estágios e estudos no exterior.

Depois de formado

Projektor é o nome da exposição dos trabalhos de conclusão de curso IT, Medier och Design

Projektor é o nome da exposição dos trabalhos de conclusão da graduação IT, Medier och Design

Tecnologia de Informação, Mídias e Design te dá uma ampla competência na área de mídias digiais e tecnologias de informação (TI). Você poderá trabalhar nas áreas de TI e profissões ligadas a mídia como líder de projeto, webdesign, programador de interface, design de informação, desenvolvedor de web ou produtor de multimídia. Os estudantes formados neste curso estão empregados em empresas e organizações que se encontram na área em que esta graduação é estruturada.

É esperar para ver como vou me sair… 😀

  • A palavra em sueco do dia é strålande [strôlande], radiante, excepcional, maravilhoso
Reblog this post [with Zemanta]

Vivenciando interação em todos os aspectos

Tive uma segunda feira super cheia e muito prazerosa. Cedo pela manha, na universidade, para trabalho de grupo, ainda pela manha um seminário muito bom e produtivo e a noite na aula de frances. Em casa, às 21h, morta de casanda, mas bem satisfeita.

O seminário foi sobre arquitetura e comunicação (ãh?? vocês devem estar se perguntando). Não, não mudei de área. É que um dos cursos que estou fazendo, Design de meios interativos, fala sobre formas de interação e narração em diversas áreas em combinação com diversos elementos (como audio e imagem).

Durante o mês de duração do curso, além das aulas com o professor, tivemos professores/profissionais convidados para palestrar sobre narração e interação. O primeiro deles foi sobre audio, mas infelizmente perdi o seminário. O segundo deles foi sobre cores. Agora esqueci o nome da professora.Depois escrevo sobre a palestra dela.

O terceiro seminário foi sobre jogos. Thomas WestinTobias Falk, roteirista e desenvolvedor de jogos, nos falou da importância da narração em ambientes interativos e quais elementos devem ser levados em conta quando se produz um jogo. Muito interessante. Adorei a aula. Liguei imediatamente para meu viking para dizer que ele iria adorar ouvir a palestra. Ele está bem viciado no GTA 4!!

 

Jogo Battefield Bad Company - Thomas Westin foi um dos roteiristas

Jogo Battefield Bad Company - Thomas Westin foi um dos roteiristas

 

O quarto seminário foi sobre interação em filmes e em ambientes multimidia. Jonas Collin, da Happy Cloud, foi o palestrante e trouxe para nós além de endereços interessantíssimos*, nos quais é possivel interagir com sites e videos, seu projeto de conclusão de curso (em 2000). O projeto foi um filme interativo chamado O assassino do hospital (Sjukhusmördare).

Pelo nome sugestivo, já se supõe que a trama é passada dentro de um hospital e que o assassino vai correr atras da vítima. O inusitado fica por conta das escolhas que a vítima faz, ou seja, para onde ela vai correr. Seu destino é escolhido pelo telespectador que com um controle remoto decide se a vítima vai pegar o corredor da direita, da esquerda, continuar em frente ou dar meia volta, após ser perguntado pela vítima sobre o que ela vai fazer, ou qualquer outra opção do tipo. Hilário. A turma inteira gritando na sala dizendo para onde a vítima deveria ir. 😀 Mais interativo que isso, é dificil! 😉

Para terminar a série de palestras, a desta semana foi, como dito, sobre arquitetura e comunicação. O arquiteto Peter Ullstad, da Co Design, foi o responsável pela montagem da mostra sobre mudanças climáticas no museu de tecnologia de Oslo. A primeira vista pode parecer bem simplista, mas a ideia, além de inovativa, carrega uma imensa dose de interação. Eu fiquei curiosíssima para ir ver.

Em um enorme ambiente sem janelas, o escritório de arquitetura tinha como desafio montar uma exposição como nunca fora apresentada antes neste ambiente. Para encurtar a história da idéia, os arquitetos resolveram inovar pra valer. Logo na entrada da exposição Klima X, os visitantes deveriam trocar seus sapatos por galochas de borracha. Depois caminhar até o local da exposição e descobrir que deveriam andar em um local com 10 cm de água, ou seja, a água cobrindo os pés.

Foto: Museu de Tecnologia de Oslo

Além disso, eles colocaram blocos de gelo dentro do local para mostrar que as calotas glaciais estão derretendo e assim proporcionar experiências e sensações aos visitantes. Os visitantes também tinham em mãos um barco comandado por controle remoto que, ao ser encostado em algumas pilastras, ativa um video curto com 1 ou 2 min de duração, além de ao final, poder votar em uma enquete da exposição, com ajuda das galochas, se os produtores de óleo da Noruega também deveriam pagar pelos estragos que seus produtos acarretam (e não apenas penalizar os proprietários de carros). Ponto.

 

Foto: Museu de Tecnologia de Oslo

Foto: Museu de Tecnologia de Oslo

 

A exposição está aberta até o final de dezembro de 2009. Eu já avisei aqui em casa que quero ir!! :roll:

Não esquecam de conferir as dicas de sites interativos: wodka.com e o beonlineb.com (foto abaixo). Quem se interessar, posso passar outras dicas de sites interativos.

 

beonlineb.com

beonlineb.com