Feminismo, aborto e concurso de blogueiras

Uma passada rápida para dizer que estou participando da segunda edição do concurso de blogueiras, organizado por Lola, uma blogueira super ativa e antenada. O tema desta edição é feminismo e o texto com o qual estou concorrendo é sobre A Suécia e a questão do aborto.

Ainda não tive tempo de ler todos os posts que estão concorrendo, mas convido vocês a passar no blog de Lola, onde é possível encontrar os links para os textos escrito por todas as meninas, e claro, votar. 😉 Faltam apenas 12 dias para ler, refletir e deixar seu voto na urna virtual de Lola. Claro que ainda dá tempo. Vai lá!

A Suécia e a questão do aborto

Duas notícias sacudiram o país  semana passada. A primeira foi a de que uma mulher em Eskilstuna decidiu abortar, pela segunda vez, após o exame de ultrasonografia mostrar que o bebê seria uma menina. A segunda é a revelação, pelo conselho Noruegues para assuntos de ética na saúde, de que é bastante comum que norueguesas venham a Suécia abortar após saber o sexo do bebê.

Na Suécia, é possível saber o sexo após a 11°. semana de gestação e abortar sem necessidade de justificativa até a 18°. semana. Nos outros países Nórdicos, a semana em que é possível saber o sexo coincide com a última a poder fazer o aborto: 12°. semana.

No momento a discussão está em torno de proibir ou não a revelação do sexo do bebê. A parlamentar Birgitta Ohlsson fez uma declaração bastante pertinente sobre o caso, com a qual eu concordo plenamente:

Não é o direito ao aborto que deve ser atacado, mas sim o fato de que mulheres e meninas ainda são consideradas pessoas de menos valor em várias culturas.

Ela complementa:

Podemos discutir o assunto generosamente e perguntar: é realmente necessário que uma família saiba o sexo da criança?

A lei do Aborto-livre

A lei do aborto livre está em vigor na Suécia desde 1975. Nela está escrito que a mulher tem o direito em qualquer situação de decidir se quer interromper a gravidez até a 18°. semana, sem que seja necessária a revelação do motivo, sob condição de que a mulher seja cidadã sueca ou tenha residência fixa no país

Em 1° de janeiro de 2008, a exigência de que a mulher tenha alguma ligação com a Suécia foi abolida, abrindo precedente para que mulheres de outros países possam vir a Suécia para abortar.

Após a 18° semana, o aborto é autorizado através de solicitação ao Departamento de saúde e bem estar-social apenas se o feto possui algum problema, se a mulher tem alguma doença ou em casos raros por dificeis problemas sociais.

No mapa abaixo, é possível ver (em azul) os países onde o aborto é legal. Clique para ampliar e ver as legendas.

Números na Suécia e no mundo

Ao ler as matérias sobre os casos, decidi ir atras de números sobre o aborto na Suécia e no mundo. Aliás, já havia começado a escrever esse post em 2007 quando a discussão sobre o aborto no Brasil estava fervendo. Agora que o assunto voltou a pauta do dia, é bom ter uma visão mais ampla do que acontece.

Segundo a Direção Nacional de Saúde e Bem-Estar Social (Socialstyrelse), durante os primeiros seis meses de 2008 foram realizadas 18 981 interrupções de gravidez, 374 a mais que no ano anterior. No entanto, as estatísticas mostram que houve uma redução significativa de abortos entre jovens.

A Enciclopédia Nacional sueca diz que anualmente ocorrem 50 milhões de abortos no mundo, sendo 20 milhões ilegais.

Na Suécia, o direito ao aborto é tratado como uma questão de direito humano e não como problema de saúde pública. É um direito fundamental para as mulheres terem a possibilidade de decidir sobre a própria vida. O que contribui para um estado democrático.

No Brasil, muitas mulheres morrem por se submeterem a procedimentos cirurgicos duvidosos por falta de informação e dinheiro, já que o aborto é ilegal. Enquanto isso, mulheres que têm uma condição finaceira favorável, pode escolher entre clínicas, médicos ou até países que, de modo seguro, podem realizar o aborto.

A presidente da ONG Confederação Nacional para informações sexuais (RFSU), Lena Lennerhed, em uma entrevista sobre o lançamento do livro Histórias sobre um crime – abortos ilegais na Suécia no século XX, resumiu o que penso sobre essa questão.

[…] São as mulheres mais pobres que morrem com frequencia pois a questão do aborto é uma questão de classe mesmo nos dias atuais. Mulheres com dinheiro podem facilmente pagar por abortos ilegais, mais seguros, com médicos ou mesmo viajar para outro país onde o aborto é permitido.

Segundo a pesquisa Magnitude do Aborto no Brasil – Aspectos Epidemológicos e Sócio-Culturais, realizada pelo IPAS Brasil em 2005, mais de 1 milhão de mulheres interrompem a gravidez de forma insegura (e ilegal) no país. Mulheres negras,das regiões Nordeste e Centro-Oeste, por possuirem uma situação econômica desfavorável, são as que mais correm risco de morte.

Além disso, ainda tem a questão da Igreja, que ao meu ver, não deveria  influenciar políticos nas decisões legislativas, já que o Brasil é um país laico. Vide discussões acaloradas sobre a excomunhão da mãe garota abusada pelo padrasto em Pernambuco, grávida de gêmeos, e da equipe médica que realizou o aborto (legal), além, claro, da  tentativa da Igreja Católica de impedir o procedimento.

Para quem quiser saber mais sobre como interrupções de gravidez são feitas na Suécia, consulte a página do guia de saúde. Além dos textos explicativos, é possivel ver um vídeo de como o aborto é realizado e os métodos utilizados. (em sueco).

Indico vívidamente o blog Viva Mulher, da minha querida amiga e jornalista Maíra Kubik Mano. Lá, ela discute sobre a situação da mulher em vários âmbitos da sociedade: econômico, cultural e político. Muito legal para quem quiser saber mais sobre a situação da mulher no Brasil e no mundo.

Deixo aqui um trecho do documentário Fim do Silêncio, de Thereza Jessouroun, onde mulheres falam direta e abertamente sobre como e o porque de terem feito o aborto. Encontrei lá, no Viva Mulher!

 

Fim do Silêncio, de Thereza Jessouroun

 

Update: Fernanda aí embaixo nos comentários me escreveu pedindo para divulgar que a Comissão de Cidadania e Reprodução (CCR), ONG que luta pela eliminação de todas as formas de discriminação contra mulher, está pedindo apoio à sociedade civil em prol da garota pernambucana de 9 anos e do CISAM (Centro Integrado de Saúde Amaury Medeiros). Basta entrar no site do CCR e assinar a petição de apoio. Eu já assinei. E você?

  • A palavra em sueco do dia é abort, [abórtch], aborto
Reblog this post [with Zemanta]

As línguas Nórdicas

Desde agosto do ano passado, estudo Svenska som främmande språk (sueco como língua estrangeira) na Universidade de Estocolmo. Apesar do curso ser na uni, o nível é ginasial. Agora estou no nivel 3 (apesar de não existir nivel 1 😛 ) que este semestre mudou de nome. Agora ele se chama Behörighetsgivande kurs i svenska (Curso que te dá qualificações em sueco para cursar uma universidade).

O curso faz parte da Instituição para línguas Nórdicas (Institutionen för Nordiska Språk) que oferece cursos, além do sueco, de dinamarquês, noruguês, holandês, islandês, sueco antigo, gótico etc.

Hoje tivemos um seminário bastante interessante no qual as duas professoras dividiram as 3 horas de aulas em 2 momentos: Norueguês e Dinamarquês. Eu adorei!

A primeira professora, norueguesa, foi bastante simpática, comunicativa e capaz de prender nossa atenção. Ela falou em norueguês a aula inteira. Sim, inteirinha!!! Lembrei imediatamente da aula de Mércia. O tema da aula foi as duas variações de norueguês. Sim, esta eu não sabia. Na Noruega existe duas línguas, não como na Bélgica ou Canadá que tem o inglês e frances como línguas oficiais, mas norueguês e norueguês. 😕

Explico: segundo a professora, na Noruega existe duas variantes de norueguês: Nynorsk (novo norueguês) e o Bokmål (dano-norueguês). Para poder entender melhor, precisamos voltar um pouco no tempo.

A Noruega e a Dinamarca faziam parte de uma união estabelecida entre esses dois países a partir de 1450. No entanto a Noruega só deixou de ser um reino independente em 1536. Na aula, a professora explicou que com o domínio dinamarquês, a língua norueguesa escrita desapareceu, sendo substituída pelo dinamarquês.

Quando a união, na qual a Suécia anos depois veio fazer parte, finalmente acabou, 1813, a Suécia “levou para casa” a Noruega como prêmio de guerra. A dissolução da união Noruega-Suécia aconteceu pacificamente em 1905.

Mas foi ao final da primeira união (Noruega-Dinamarca) que os “problemas” linguísticos começaram.

O objetivo de se construir a língua escrita era claro, mas país entrou num dilema:

  1. Continuar escrever dinamarquês;
  2. “Noruguêsar” o dinamarquês
  3. Construir uma nova língua escrita com bases na língua oral.

Uma corrente liderada pelo linguista Ivar Aasen (o qual compilou vários dialetos e compôs o Nynorsk) defendia o radical abandono do dinamarquês e a rápida composição de uma língua norueguesa. A ligação entre a idéia de nação e língua para a formação de uma identidade nacional era bastante forte.

Do outro lado da corrente estava o linguísta, Knud Knudsen, o qual pregava a prudência e a construção da nova língua escrita atraves da língua falada. O Bokmål é o que poderíamos dizer da junção do norueguês falado com alguns traços de herança dinamarquesa na escrita.

Vocês devem estar se perguntando, sim, mas e no que deu o resultado?

Bom, a professora nos mostrou um mapa da Noruega onde em 1945 apenas 15% da população falava Nynorsk e 85% o Bokmål (mapa de 2007, para ele só as cores correspondem).

Hoje, o Bokmål é a língua dominante, apesar do forte lobby do Nynorsk (hoje minoria, mas em forte crescimento), e é usado nas escolas e repartições públicas.

Muitos devem estar pensando qual a vantagem em ter duas linguas que, em vez de facilitar, complicam a situação. Bom, primeiramente é uma idéia bastante excitante, do ponto de vista acadêmico e social. Acadêmico pois a língua está em constante evolução, entre outros. Social pelo fato de todos terem espaço na sociedade para se expressar através de sua língua nativa (vejam o caso do Paraguai – com o espanhol e guarani).

Lógico que tem inúmeros pontos negativos, entre eles o de aprender a língua. 😉

Achei interessantíssima a aula. Ahh, detalhe, conseguimos enterder tuuuudo!!

Bom, o segundo tempo começa com a professora dinamarquesa (uma figura!!). No entanto, a aula foi menos interessante que a anterior.

Ela falou de varias coisitas curiosas e depois nos mostrou quais as maiores diferenças entre o sueco e o dinamarquês, na escrita (pois no oral é praticamente impossível entender).

Uma curiosidade: A bandeira dinamarquesa é um símbolo de alegria, muito mais do que de nação. A bandeira é usada em festas, nascimentos e é sempre relacionada a algo festivo.

Ela lembrou dos últimos acontecimentos que envolveram a queima da bandeira dinamarquesa em vários países em demonstração de ódio contraas caricaturas de Maomé. Ela lembrou que em vez de raiva, seus conterrâneos sentiram uma tristeza profunda ao vê-la queimando.

O mais engraçado foi na hora em que ao começar o seminário alguém perguntou em que língua ela falaria (já que ninguém entende dinamarquês). Ela disse que falaria em “escandinavo” (ou seja, sueco) pois os suecos consideram sua língua como a principal. No entanto, ela rebateu com o seguinte dito:

O sueco (a língua) é o dinamarques falado de forma mais clara.

Entretanto, os suecos costumam dizer:

O dinamarquês (a língua) é o sueco falado quando se tem papa na boca

Em resumo, duas coisas saímos falando da sala:

1. Estudando sueco, ganhamos mais duas línguas no pacote (Norueguês e Dinamarquês), já que, apesar de díficil de falar e entender, de acordo com a segunda professora, em 3 semanas é possivel um falante da língua sueca entender e começar a balbuciar dinamarquês.

2. O sueco é definitivamente mais fácil de aprender que o norueguês e o dinamarquês!!

  • A palavra em sueco do dia é granne (ar) [granne], vizinho (s)

Enquanto o bom velhinho não vem…

Minha prima me escreveu hoje para me desejar um feliz natal e fez referencia à casa do Papai Noel, a qual parece ser aqui perto. Isso me fez lembrar de uma matéria publicada no início do mês, no caderno de Economia do DN, na qual uma empresa de consultoria sueca divulga o resultado de um estudo que determina onde mora o bom velhinho.

Na verdade, a empresa calculou qual seria o local onde o Papai Noel deveria morar para que a viagem ao redor do globo fosse otimizada. O cálculo foi feito a partir de dados demográficos, rotação terrestre e, o mais importante, onde as crianças moram. A resposta?

Bem, para que 2,5 bilhões de casas com criancinhas gentis possam receber seus presentes o Papai Noel deve morar no Quirguistão. Sim pessoas, Quirguistão! Além disso, o bom velhinho deve ter uma ótima condição física (hehe, isso é um adendo meu!) já que, segundo a matéria, ele terá apenas 34 microsegundos para estacionar o trenó, descer a chaminé, entregar os presentes, beliscar alguma coisinha e voltar para as renas. Ufa!

A polêmica…

julglob.gifNossos vizinhos nórdicos não gostaram da idéia de que Papai Noel more no Quirguistão. Isto porque a Finlândia, Dinamarca e Suécia (este último com menos força) disputam o título de país natal do bom velhinho. A Lapônia finlandesa e a Groelândia, território autônomo pertencente a Dinamarca, são os principais rivais.

Para muitos finlandeses e ocidentais, o bom velhinho mora na colina de Korvatunturi, perto da fronteira com a Rússia, e trabalha em Rovamieni, capital da Lapônia, onde está situada a fábrica de brinquedos. Anualmente a casa finlandesa do Joulupukki (Cabra do Natal ou Papai Noel, em suomi) recebe a visita de 500 mil pessoas. Existe inclusive uma comissão encarregada de fazer lobby para que a União Européia reconheça Rovamieni como a cidade do Papai Noel.

A cidade possui vários atrativos, inclusive um parque temático, o qual funciona tanto no verão quanto no período do Natal, situado nas cavernas de Syväsenvaara. O escritorio do bom velhinho finlandes recebeu, só ano passado 700 mil cartas.

pnoel.jpgJá para as crianças dinamarquesas, a cidade do Julemand (Homem do Natal ou Papai Noel, em dinamarquês) fica em Nuuk, capital e maior cidade da Groelândia. Seu escritório, no entanto, recebeu apenas 50 mil cartas. O interessante é que no Congresso Mundial de Papais Noel a questão é recorrente. Desde 1963 o evento reúne representantes dos bons velhinhos de todo o mundo nos arredores de Copenhague.

Os suecos também querem levar o mérito de país natal do Jultomten (Gnomo de Natal ou Papai Noel, em sueco). Alguns nativos afirmam que o jultomten vive em Arvidsjaur, na Lapônia sueca, enquanto Mora (se pronuncia mura), cidade na região de Dalarna, também reivindica seu posto. Mora possui a Sagoland Tomteland, terra das sagas/histórias e, assim como a central dos correios Tomteboda, em Solna, é para onde as criancas suecas enviam cartas para o Papai Noel e de onde recebem respostas.

O que vocês acham? Onde mora o bom velhinho? hehe Achei essa história de disputa bem engraçada e o cálculo da moradia bem surreal… Será que consegui responder tua pergunta, Jack? :roll:

Sim, já ia esquecendo, ontem, 21 de dezembro, foi o dia do solstício de inverno no hemisfério Norte. Isto quer dizer que ganharemos minutos de luz diáros, ou seja, o período escuro se tornará gradativamente mais curto, até a chegada do midsommar, em junho.

  • A expressão em sueco do dia é God Jul [gud iúl], Feliz Natal