Solstício de inverno e suas tradições

Dia 21 de dezembro é quando acontece o solstício de inverno, ou o dia mais curto do ano, no hemisfério norte. A partir do dia 22, começamos a ganhar minutos diários de luz.

Hoje, o DN publicou uma matéria mostrando que você pode medir o ângulo do sol dependendo de onde na cidade você se encotrar quando o sol nascer. Em um gráfico gigante  (clique na foto abaixo para vê-la ampliada) eles mostram o ângulo do sol em várias partes da cidade; explicam quando o dia é mais longo, curto e quanto o dia e a noite possuem a mesma quantidade de horas;  qual o ângulo da Suécia de acordo com o eixo da terra e te ensinam a descobrir o ângulo exato que o sol terá a partir do local onde você estiver com ajuda de uma pequena régua.

Segundo o gráfico, em Estocolmo, no dia 21 de dezembro, temos apenas 6 horas 05 minutos de luz solar por dia, enquanto que na data em que o dia é o mais longo do ano, a luz do sol ilunina a cidade durante 18 horas e 38 minutos.

Este mesmo gráfico mostra que em março e em setembro temos os chamados Vårdagjämninig e Höstdagjämning, respectivamente dias iguais durante a primavera e outono, 12 horas e 14 minutos.

Motivo de festa

A pequena reportagem que segue o gráfico  é iniciada com a constatação de que até dia 21 de dezembro de 2008, a luz do sol invernal só iluminou Estocolmo durante 7h (contra 33 h que seria normal para todo o mês de dezembro), ou seja, está sendo um mês bastante cinza ou escuro.

(Infelizmente a reportagem nao foi publicada na versão online, por isso não tenho como direcionar à fonte.)

sols_dn

Reprodução do gráfico do jornal

Nela, consta que perto do ano 1000, o dia do solstício de inverno era comemorado com festa, cerimônia e orgias. Reproduzo abaixo a interessante reportagem:

A antiga crença popular diz que o dia do solstício de inverno era considerado uma noite perigosa onde os animais podiam falar além de forças sobrenaturais vagarem livremente.

Na Escandinávia antes do cristianismo, o meio do inverno (midvintern) era associado a festas religiosas de sacrifícios humanos e animais (chamado de midvinterblot). Os sacrifícios animais serviam para acalmar os deuses os quais permitiriam que o sol retornasse. Na verdade, existia um medo que a luz nunca mais retornasse caso o solstício de inverno não fosse comemorado desta forma.

Algo deveria ser sacrificado este ano para que os moradores de Estocolmo pudessem vislumbrar um pouco de sol antes da virada do ano. Segundo o meteorologista Thomas Carlund, på SMHI [Sistema de meteorologia e hidrologia da Suécia], o sol só iluminou a capital durante 7 horas em dezembro. [existe uma diferença fundamental entre horas de sol e horas de luz]. Durante os meses de Outubro-Novembro houve 111 e 61 horas de sol (em vez de 99h e 54h) respectivamente.

Os vikings tinham como costume fazer três grandes festas religiosas de sacrifícios durante o ano (höstblot, vårblot e a maior de todas midvinterblot, respectivamente festa de sacrifício do outono, primavera e a do solstício de inverno) onde, entre outras coisas, acontecia uma grande ingestão de cerveja e um tipo de licor alcoolico de mel fermentado e água (mjöd em sueco e mead, em inglês).

Uma outra antiga tradição era queimar um tronco bem decorado durante a noite mais longa do ano. As cinzas eram guardadas para serem espalhadas no campo para que as plantas tenham um bom crescimento.

Amanha, dia 21 de dezembro, será inaugurado na Dinamarca um cemitério exclusivo para todos aqueles que acreditam nos deuses vikings (asatroende). A cidade de Odense está investindo 150 mil coroas no projeto além de construir um barco no modelo da época viking de pedra no meio da cidade. Por tras do projeto está comunidade religiosa Forn Sidr a qual possui 600 membros crentes nos deuses vikings (asatroende).

No solstício de inverno o terreno será “batizado” e apenas dia 7 de fevereiro é que será oficialmente inaugurado. Provavelmente levará um tempo para que o primeiro enterro aconteça já que a maioria dos membros da comunidade asa ainda são ainda jovens. As sepulturas são auto-financiadas e custam 8 500 coroas dinamarquesas [aproximadamente R$ 3 800] para a conservação de 10 anos.

Na Internet, se proliferam vários mitos e tradições relacionados com o dia mais escuro do ano. Dentre elas, um site internacional estimula mais amor neste dia. Isto não é nenhuma idéia idiota

Per Luthander – DN jornalista”

  • A palavra em sueco do dia é vintersolståndet , solstício de inverno

Enquanto o bom velhinho não vem…

Minha prima me escreveu hoje para me desejar um feliz natal e fez referencia à casa do Papai Noel, a qual parece ser aqui perto. Isso me fez lembrar de uma matéria publicada no início do mês, no caderno de Economia do DN, na qual uma empresa de consultoria sueca divulga o resultado de um estudo que determina onde mora o bom velhinho.

Na verdade, a empresa calculou qual seria o local onde o Papai Noel deveria morar para que a viagem ao redor do globo fosse otimizada. O cálculo foi feito a partir de dados demográficos, rotação terrestre e, o mais importante, onde as crianças moram. A resposta?

Bem, para que 2,5 bilhões de casas com criancinhas gentis possam receber seus presentes o Papai Noel deve morar no Quirguistão. Sim pessoas, Quirguistão! Além disso, o bom velhinho deve ter uma ótima condição física (hehe, isso é um adendo meu!) já que, segundo a matéria, ele terá apenas 34 microsegundos para estacionar o trenó, descer a chaminé, entregar os presentes, beliscar alguma coisinha e voltar para as renas. Ufa!

A polêmica…

julglob.gifNossos vizinhos nórdicos não gostaram da idéia de que Papai Noel more no Quirguistão. Isto porque a Finlândia, Dinamarca e Suécia (este último com menos força) disputam o título de país natal do bom velhinho. A Lapônia finlandesa e a Groelândia, território autônomo pertencente a Dinamarca, são os principais rivais.

Para muitos finlandeses e ocidentais, o bom velhinho mora na colina de Korvatunturi, perto da fronteira com a Rússia, e trabalha em Rovamieni, capital da Lapônia, onde está situada a fábrica de brinquedos. Anualmente a casa finlandesa do Joulupukki (Cabra do Natal ou Papai Noel, em suomi) recebe a visita de 500 mil pessoas. Existe inclusive uma comissão encarregada de fazer lobby para que a União Européia reconheça Rovamieni como a cidade do Papai Noel.

A cidade possui vários atrativos, inclusive um parque temático, o qual funciona tanto no verão quanto no período do Natal, situado nas cavernas de Syväsenvaara. O escritorio do bom velhinho finlandes recebeu, só ano passado 700 mil cartas.

pnoel.jpgJá para as crianças dinamarquesas, a cidade do Julemand (Homem do Natal ou Papai Noel, em dinamarquês) fica em Nuuk, capital e maior cidade da Groelândia. Seu escritório, no entanto, recebeu apenas 50 mil cartas. O interessante é que no Congresso Mundial de Papais Noel a questão é recorrente. Desde 1963 o evento reúne representantes dos bons velhinhos de todo o mundo nos arredores de Copenhague.

Os suecos também querem levar o mérito de país natal do Jultomten (Gnomo de Natal ou Papai Noel, em sueco). Alguns nativos afirmam que o jultomten vive em Arvidsjaur, na Lapônia sueca, enquanto Mora (se pronuncia mura), cidade na região de Dalarna, também reivindica seu posto. Mora possui a Sagoland Tomteland, terra das sagas/histórias e, assim como a central dos correios Tomteboda, em Solna, é para onde as criancas suecas enviam cartas para o Papai Noel e de onde recebem respostas.

O que vocês acham? Onde mora o bom velhinho? hehe Achei essa história de disputa bem engraçada e o cálculo da moradia bem surreal… Será que consegui responder tua pergunta, Jack? :roll:

Sim, já ia esquecendo, ontem, 21 de dezembro, foi o dia do solstício de inverno no hemisfério Norte. Isto quer dizer que ganharemos minutos de luz diáros, ou seja, o período escuro se tornará gradativamente mais curto, até a chegada do midsommar, em junho.

  • A expressão em sueco do dia é God Jul [gud iúl], Feliz Natal