Noite longa e neve na cintura

Ainda bem que já amanheceu. Apesar do cansaço monstro, só consegui dormir às 24h e às 02h da manha já estava em pé cheia de energia pensando que já estava na hora de ir para a aula.

Ontem, como parte da prática do curso, fomos “cobrir” a competição de esqui de orientação (skidorientering, em sueco, e ski-orienteering, em ingles) que está rolando aqui em Sundsvall. Foi muito divertido, rápido, frio e cansativo. Depois explico melhor em português o que significa

Bom, eu não senti frio porque estava muito bem “equipada” com minha calça super forrada que comprei numa loja de segunda mão, baratíssima (novas, elas custam em média 2 mil coroas, eu comprei por míseras 85 coroas) e uma meia calça de algodão e acrílico. Acho que fui uma das únicas pessoas que não sentiu sequer um pouquinho de frio. 😀

Eu me joguei, literalmente, na neve na busca de um bom ângulo e de uma boa foto. A busca foi tanta que ao procurar um local “exclusivo” enfiei meu pé num local onde a neve não estava firme e pof, “fui puxada pela gravidade para as profundezas na neve”. Fiquei enterrada na neve até a cintura  por alguns minutos (sem sentir frio algum, lembram da calça?).

O dia ontem estava estupendo. O que me deu uma energia enorme. Durante quase duas horas, saltitei de um canto a outro, corri e me joguei no chão diversas vezes. A tarde, eu estava exausta!! Também, pudera! Meu professor riu a beça comigo ontem.

Tínhamos oito tarefas a cumprir. Oito tipos diferentes de fotos, as quais só me lembrei de fazer quase no final da competição. 😉 Começamos a trabalhar as fotos que ficaram escuras no Photoshop para dar “aquela melhorada” e hoje vamos discutir como chegamos a tais fotos. O professor também deve abordar as fotos que enviamos semana passada (o dever de casa!!) e passar mais fotinhas para o próximo encontro, em março.

As coisas começam a ficar mais claras na minha cabeça, o que me faz ficar bastante satisfeita.

Depois publico as fotos do findi!

Siiiim, já ia esquecendo. Neste encontro não eramos apenas 6 (ahaha lembrei do título da novela do SBT!!) mas 16!! Acreditem. Um dos novos alunos é de Estocolmo. Uma garota muito doce e agradável.

Volto para casa no trem das 16h11! Feliz da vida sonhando com minha cama e travesseiros.

Agora vou indo arrumar as coisas, pois nossa “anja da carona” vem nos buscar. Além disso, o cafe da manha começa em 30 minutos e eu to morrendo de fome!! 😉

Fotojornalismo em Sundsvall

Ainda estou um caco, mas me recuperando. No domingo, às 19h30 o trem vindo de Sundsvall chegou a Estocolmo comigo dentro.  Cansadíssima. Apesar das 3h30 de uma agradável viagem eu estava um caco. Desde sexta sem dormir direito e com aula durante todo o final de semana até as 21h.

Sexta feira arrumei a mala e parti para o curso de fotojornalismo em Sundsvall. O hotel no qual me instalei tinha um preço bastante atrativo para estudantes com direito a café da manhã e ainda com serviço de traslado na chegada a cidade. Deixei Estocolmo com uma temperatura de -10 e cheguei lá em cima com um pouco mais frio que -20. :roll:

Infelizmente não pude conhecer a cidade, mas pelo que vi e ouvi ela fica entre duas montanhas, a do sul e do norte, o que faz com que não haja a ventania que assola Estocolmo. Então, apesar de -20, não era desesperador. O negócio era só não ficar muito tempo do lado de fora. Não foi o que fiz. hahaha Caminhei do hotel a escola (2km), até porque o ônibus levaria quase 1h para fazer o pequeno trajeto, peguei a direção errada duas vezes e só depois de 40 minutos cheguei ao local (depois de olhar no mapa e perguntar a outros três transeuntes).

Minhas impressões?

Campus da MittUniversitet em Sundsvall (Foto: Ann-Britt Nilsson)

Achei o campus da MittUniversitet suber fofo, moderno e tudo muito bem organizado e construído. A Universidade fica ao lado do rio que corta a cidade o que torna o campus ainda mais agradável. Os prédios são bem planejados e distribuídos. Dentro de alguns deles, arte por todos os lados e plantas (um jardim para o ano inteiro), claro!

Campus da MittUniversitet em Sundsvall (Foto: Åsa Grip)

Apesar de o curso ser a distância e ter apenas quatro encontros (leia-se quatro finais de semana, o que para mim foi um susto!) durante o semestre, minha experiência em estudar com nativos está sendo ótima. A começar pelo professor.

Uma simpatia, super agradável e, apesar de sua ampla bagagem, mostrou ser de uma modéstia incrível. Além disso, a paciência e a vontade de ensinar cativaram todos os alunos. Dos 30 estudantes aceitos pela universidade, apenas seis compareceram no final de semana. Uma pena para o professor. Um “desastre” para o investimento que a universidade está fazendo (É a primeira vez que este curso está sendo dado!).

No entanto, para os seis que estavam lá, foi como ter uma aula particular! 😀 O clima entre alunos e professor foi ótimo. Aula e refeições foram feitas em conjunto e até sobre viagens e outras experiências conversamos. Detalhe: O professor acabara de voltar de uma viagem de 17 dias no Brasil, com direito a curso de mergulho e tudo!! 😉

Meus colegas de sala são queridíssimos. Fiquei impressionada com a gentileza de todos. Logo no primeiro dia de aula, eu e um outro aluno hospedados no mesmo hotel, recebemos convite para uma carona de ida e volta durante todo o final de semana. No domingo, convite vindo de uma outra colega para nos levar a estação de trêm. Não poderia ter ficado mais encantada! Além disso, já ficamos avisados que nos próximos encontros também teremos carona. 😀

  • A palavra em sueco do dia é ödmjuk , [[oe]dmíuk] modesto, humilde