Aprilskämt: o dia da mentira sueco

Ontem foi 1° de abril, o dia da mentira. Em diferentes países, a data de ontem recebe difetentes nomes: Na Grã Bretagna é chamada de April Fool’s Day, na Escócia de Gowkie Day, na França, na Espanha e na Itália fazem referência a peixe, poisson d’avril, pescado de abril e pesce d’aprile, respectivamente.

Aqui, na Terra dos Vikings, o nosso dia da mentira ganha o nome de Piada ou brincadeira de abril, Aprilskämt. Quando alguém cai na mentira contada, diz-se:

April April din dumma sill, jag kan lura dig vart jag vill!

Algo como:

Abril abril seu bobo sill (arenque), eu posso te enganar quantas vezes eu quiser!

TV War

Image by Midnight-digital via Flickr

É comum por aqui que a mídia pregue peças na população neste dia. O DN, jornal que assinamos, publicou três das mais conhecidas brincadeiras publicadas pela mídia em anos anteriores. Aqui estão as piadas:

1911 – O jornal de (centro)direita Svenska Dagbladet publicou que a abertura dos jogos olímpicos em Estocolmo no ano de 1912 seria antecedida de uma parada com 600 elefantes emprestados da Índia.

1962 – O reporter Kjell Stensson enganou a população com a “notícia” de que vestindo a TV com uma meia de nylon os suecos passariam a assistir programas em cores.

2001 – O DN publicou uma matéria sobre um arquipélago (inventado) croata que seria um paraíso. Isola Lethe era o nome. Os telefones da operadora estatal Telia ficaram sobrecarregados com o grande número de ligações de pedido de informações sobre a agência chamada Primo Aprile Tours.

E as bricadeiras de 2009??

Aqui estão algumas delas:

  • Por medida de saúde, a partir das 18h até a meia noite da sexta-feira é proibido usar telefone celular. (Västerbottens Folkblad)
  • Aqueles que andarem pelo lado errado nas escadas rolantes de Estocolmo, serão obrigados a pagar multa de 500 coroas. (Metro)
Uppsala

Image via Wikipedia

  • A princesa coroada Victoria e seu noivo Daniel se casam na catedral de Uppsala pois a Storkyrka de Estocolmo é muito pequena. (Uppsala Nya Tidning)
  • Acoplando o DNA do coco dos cachorros com o DNA de seus donos a cidade de Luleå acredita resolver o problema dos cocos que não são recolhidos das ruas a assim poder rastrear os donos. (Norrbottens-Kuriren)
Reblog this post [with Zemanta]

Invenções suecas – A escala Celsius

Esta semana, dentro da série Invenções suecas, vocês vão ficar sabendo como foi inventada a escala Celcius. Antes de começar a contar como Anders Celsius desenvolveu a escala que utlizamos hoje nos termômetros, vamos continuar com a pequena história de como essas invenções ajudaram a Suécia desenvolver indústrias no final do século XIX início do século XX.

Semana passada, vocês ficaram sabendo que ao mesmo tempo em que a vida no país começava a melhorar, muitos suecos emigraram para os Estados Unidos no final do século XIX por causa da falta de oportunidades na Suécia  enquanto que outros emigraram internamente para construir estradas de ferro no norte.

No sul da Suécia existiam enormes fazendas (gårdar) onde trabalho braçal era necessário. Muitos conseguiram trabalho por lá. Nas grandes cidades, industrias começaram se desenvolver, o que atraiu muitos moradores do campo para a cidade. 

As indústrias no país cresciam rapidamente. No início do século XX, grandes industrias suecas surgiram com Volvo, Alfa Laval e Ericsson. Uma das razões que ajudaram a industrializar o país foram as invenções que a cada semana apresento por aqui.

O que? A escala Celsius

Quem? Anders Celsius

Onde: Uppsala

Quando? 1742

Celsius era matemático, astrônomo e físico e trabalhava na Universidade de Uppsala como professor de astronomia. Ele nasceu em 1701 e morreu aos 43 anos, em 1744. Em seu tempo, haviam mais de 30 diferentes escalas para medir temperatura, o que não era nada prático. 

Alguns desses termômetros, por exemplo, um frances e um inglês, marcavam 0 grau como ponto de ebulição da água (ou seja, água fervente). Um dinamarquês tinha como referência de grau 0 o que modernamente consideramos entre -18/-19 graus, escala que mais tarde seria adotada por Fahrenheit.

Inspirado pelo grande número de escalas, Celsius decidiu criar a sua própria. Para isso, ele entendeu que precisava determinar pontos fixos, temperaturas de referência, para depois dividir as distâncias entre esses pontos em graus apropriadamente. 

Em 1742, em um artigo para uma revista científica, Celsius escreve que para determinar as temperaturas de referência era necessário medir o ponto de fusão (quando a água congela) e ebulição da água.

Em seu tempo, o ponto de fusão era de 100 graus. Segundo a lenda, foi um outro sueco, Carl von Linné, que iniciou a mudança para a escala que conhecemos hoje (0 graus para o ponto de fusão e 100 para o de ebulição).

Fonte: Nobelfest och knytkalas, Astro

Leia os posts anteriores da série Invenções suecas

Dinamite

Chave inglesa

Tetra Pak

  • A palavra em sueco do dia é skala , [skóla] escala (mas também significa o verbo descascar)